Evangelos Kreatsoulas – Ministro responsável pela difusão da Igreja na Grécia

Me chamo Evangelos Kreatsoulas. Sou grego-brasileiro, nascido no Rio de Janeiro. Sou membro desde dezembro de 1980. Tornei-me seminarista da 10ª Turma de Formação Sacerdotal, recebi o título de ministro em abril de 1991 e estou fazendo difusão na Grécia desde maio do mesmo ano.

Desejo apenas relatar os fatos, da forma como os vivenciei desde que me tornei seminarista em 1985 e principalmente em relação aos últimos acontecimentos, dos quais pude ser testemunha no Japão.

Kyoshu-Sama deseja criar uma Igreja totalmente nova, mas aos moldes da época de Meishu-Sama e dos pioneiros. Ou seja, uma Igreja alegre, livre, aberta. Com calor humano, onde atingir as metas de outorgas, frequência e donativos sejam apenas uma consequência da alegria e gratidão que os membros sentem.

Estive presente nos Solos Sagrados do Japão, tanto na purificação de nossa Igreja na década de 80 (como seminarista), estando presente no dia em que o grupo Shinsei (atual Izunome), ganhou na 1ª instância o julgamento onde o presidente Matsumoto foi reconhecido como o legítimo presidente da Igreja Messiânica Mundial, com todo o apoio do Revmo. Watanabe, assim como em final de setembro de 2017, onde participei como mero observador da Assembleia Geral em Atami, onde o Sr. Kobayashi apresentou as horríveis “provas” através da espionagem feita contra Kyoshu-Sama.

Estive também presente em 2018 no Culto de Outono em Osaka, dia 8 de outubro, oficiado por Kyoshu-Sama, com a presença de mais de 5.300 pessoas. A alegria dos membros estava estampada em seus rostos, um clima paradisíaco com um Kyoshu-Sama e família reluzentes, alegres, simples e acessíveis. Me fez lembrar dos antigos cultos na Sede Regional do Rio de Janeiro e da Sede Central em São Paulo, quando o Revmo. Watanabe ainda era somente presidente da Igreja no Brasil. Um clima de festa e de muita luz. Quem é daquela época sabe do que estou falando.

Estive também visitando o Templo Messiânico em Atami, dominado provisoriamente pelo Sr. Kobayashi e por aqueles que o apoiam, e pude sentir que, apesar de tudo aparentemente lindo e maravilhoso materialmente falando, era um local oco, vazio, sem energia, sem alegria. Vazio de tudo, vazio de espírito.

Enquanto em Osaka, onde o Culto do Outono foi realizado em um Centro de Convenções, ou seja, um lugar aparentemente frio e sem beleza material, estava cheio de calor humano e beleza de sentimentos.

É engraçado, mas o grupo do Sr. Kobayashi ficou com os prédios sem membros e o grupo que apoia Kyoshu-Sama ficou com os membros sem prédios… Que ironia…

Desculpe-me, mas depois de quase 40 anos de membro, 35 de integrante e de 29 anos fazendo difusão na Grécia, Rússia e outros países adjacentes, não tenho a mínima vontade de ver minha fé acomodada e adorar uma fé materialista. Não quero ver minha religião se tornar em uma espécie de funcionalismo público e os Solos Sagrados se tornarem “parques temáticos”. Não vou permitir que pessoas como o Sr. Kobayashi e os reverendos e ministros que o seguem, destruam minha fé baseada nos sentimentos de Meishu-Sama, que estão bem definidos em seus Ensinamentos e que Kyoshu-Sama está nos fazendo reler com uma visão do século 21.

O representante espiritual e legal de Meishu-Sama em vida, é o Sr. Yoichi Okada, o nosso legítimo Kyoshu-Sama, que está procurando nos levar a este sentimento inicial de Meishu-Sama, uma fé completamente renovada, procurando criar harmonia entre todas as religiões e filosofias.

A meu ver, como um simples sacerdote que sou, cada Kyoshu-Sama deve procurar aprofundar cada vez mais seu entendimento no que se refere aos Ensinamentos de Meishu-Sama, assim como estudar e aprender sobre todas as religiões do mundo, uma vez que todas elas provém do mesmo Deus Supremo, em suas várias manifestações através dos diversos mensageiros enviados à Terra desde os primórdios da humanidade.

Não só não vejo nenhum problema que Kyoshu-Sama faça parte de algum grupo de estudo sobre a Bíblia, como faço votos para que também faça parte de grupos de estudo sobre o Tora dos judeus, o Alcorão dos muçulmanos, as Sutras dos budistas e por aí afora. Para mim, que estou tentando difundir o Johrei e os Ensinamentos de Meishu-Sama em um país cristão-ortodoxo, extremamente conservador, o que o Kyoshu-Sama está orientando agora está me facilitando enormemente a fazer o meu trabalho, uma vez que está vindo ao encontro do que sempre pensei, que é conseguirmos trabalhar junto ao cristianismo e não combatê-lo.

Faz muitos anos que tenho em minha sala uma pintura de Jesus Cristo abençoando algumas crianças, assim como tenho a Bíblia ao lado do Alicerce do Paraíso em minha estante. Além disso, tenho também a imagem de Nossa Senhora em plena Nave. Nem por isso nenhum membro aqui na Grécia acha que estou tentando “cristianizar” a nossa Igreja… Quanta tolice daqueles que não lhes convém mudar, que não querem sair de sua zona de conforto… Que não querem se tornar “pessoas do presente”, como Meishu-Sama ensina, que não querem evoluir pois na verdade tem preguiça de estudar e procurar entender o sentimento real de Kyoshu-Sama.

Kyoshu-Sama nos tirou da hibernação na qual havíamos caído, da rotina à qual estávamos acostumados e da qual não queríamos sair, já que do jeito que fizemos até agora estava bom, estava cômodo…

Estávamos completamente desfocados de nossa real missão que é preparar o Paraíso Terrestre, em conjunto com todas as demais religiões. Se um dia Meishu-Sama vier a ser reconhecido como o salvador da humanidade, isto ocorrerá de forma natural, sem forçar nada. E acredito piamente que isto ocorrerá em um futuro não muito longínquo. Porém, colocar Meishu-Sama em um pedestal e consequentemente todos nós que o representamos, achando que as pessoas ainda não têm nível para entender nossa fé, terá como consequência nos isolarmos, nos tornando um grupo minoritário, arrogante e com complexo de superioridade.

Vamos acordar por favor. Hoje nossa Igreja, mundialmente falando e em comparação às outras religiões, não passa de um pequeno grupo religioso, uma seita, como somos considerados em vários países. Até quando vamos continuar fechados e limitados? Até quando vamos atrapalhar a obra de Meishu-Sama? Será que Kyoshu-Sama não deseja o que sempre foi o desejo de Meishu-Sama, que era criar uma religião realmente mundial? Esta é a missão da Igreja Mundial do Messias, denominação inicial de nossa Igreja quando Meishu-Sama ainda estava no Mundo Material. Kyoshu-Sama não está inventando nada. Está somente trazendo à Luz tudo aquilo que ficou camuflado, seja por medo ou por interesse de alguns líderes de nossa organização até hoje, por todas estas décadas. Meishu-Sama escreveu dezenas de Ensinamentos sobre Jesus Cristo e que a Igreja nunca publicou. Kyoshu-Sama está revelando para o mundo inteiro o real sentimento de Meishu-Sama.

Fico imensamente feliz de estar podendo participar deste novo início da fé messiânica, onde sem medo, vamos finalmente revelar para toda a humanidade todos os Ensinamentos de Meishu-Sama.

Eu talvez tive sorte, no meio desta confusão toda, de poder estar presente, tanto quando tudo isto veio à tona em 2017 no Japão, como em 2018 onde pude conversar diretamente com Kyoshu-Sama por várias horas.

Desta forma, sigo meu coração e meu instinto como homem de fé. Olhando nos olhos das pessoas envolvidas diretamente neste conflito em 2017, de ambas as partes, pude tomar minha decisão baseado no makoto que senti. Olhando em 2018 as expressões dos membros presentes no Culto em Osaka com Kyoshu-Sama, me fez não ter dúvidas. Foi um privilégio estar com Kyoshu-Sama e sua família, foram momentos divinos que nunca tinha vivido em nossa Igreja, nem mesmo com os grandes mestres de nossa Igreja que tive a oportunidade de conversar por várias vezes.

 Sou muito grato de estar podendo observar, mesmo a distância em termos de corpo físico, todas as mudanças e atualizações que estão sendo trazidas para nossa organização sob as orientações de Kyoshu-Sama.

Acredito que nossa nova estrutura organizacional, que nos une em um só corpo, irá proporcionar tremendas mudanças no Mundo Espiritual de nossa Igreja. Finalmente Deus está sendo colocado à frente do ser humano.

E fico também muito feliz e grato por saber que Deus não deixará ninguém de fora. Todos estão sendo ressuscitados e salvos.

Apesar de ser uma Igreja pequena, em tamanho e número de membros ativos que realmente acreditam no nome Messias, que está uno a Meishu-Sama, mas me sinto entusiasmado em poder continuar minha missão na Grécia e difundir o evangelho do paraíso que está embutido nesta palavra. Sinto-me feliz em participar de uma religião onde todos os membros, do mais novo ao mais velho, saibam que possuem uma mesma partícula divina e que dentro de todos vibra a palavra Messias, que nos faz retornar ao Paraíso que sempre existiu dentro de cada um de nós, desde nossa criação pelo Pai único. Onde todos somos uma igreja de Deus!

Que o Senhor Deus nos utilize sempre como Suas igrejas.

* Publicado na Revista Glória, Nº 3, 1º de abril de 2020

Este conteúdo está disponível em: 日本語 English